Bruno Paixão nasceu em Coimbra, em 1975. É escritor e cronista. Doutorado pela Universidade de Coimbra em Ciências da Comunicação, foi jornalista, é investigador e professor do ensino superior. Debruça-se, desde há vários anos, sobre o tema da cobertura da corrupção e do escândalo político. É autor e co-autor de vários livros e artigos académicos sobre o assunto.

Fazendo jus ao seu nome, a escrita é, desde sempre, a sua paixão. Num exercício de desprendimento, tem deixado o seu trabalho literário em hibernação, confinado a gavetas e a caixas dispersas. Rabiscado, gatafunhado, amarfanhado. Depois de dois livros de crónicas, decidiu trazer a público o seu primeiro romance, que está pacientemente a reler, com o vagar dos dias, em horas de apetecimento.

É cronista regular na imprensa. Exerce atualmente, por nomeação, a função de diretor da Fundação INATEL em Coimbra. Foi jornalista de imprensa, membro da direção da Associação Portuguesa Para o Estudo da Propriedade Intelectual e fundador da publicação universitária de defesa dos Direitos Humanos Enviado Especial. Presidiu à Organização do Congresso Nacional de Jovens Jornalistas. Presidiu à Direção Nacional da Associação Nacional de Jovens Jornalistas. Presidiu à Comissão Executiva do Congresso “pensar Portugal”, iniciativa decorrida em abril de 2000, no Pavilhão Atlântico, em Lisboa, com o Alto Patrocínio de Sua Excelência O Presidente da República.

Bruno Paixão was born in Coimbra (Portugal) in 1975. He is an author and columnist. Doctor of philosophy in Communication Sciences by the University of Coimbra, he has also worked as journalist, although currently he focuses on research and teaching at the university.

For several years he has dedicated research to media coverage of corruption and political scandal. Bruno Paixão is the author and co-author of several books and academic papers on the subject.

Honouring his name (‘Paixão means ‘Passion’), writing has always been Bruno’s passion. In an act of disengagement, his literary projects are hibernating in scattered drawers and boxes. Scribbled, scratched and crumpled. After publishing two books of chronicles, he decided to bring to the light of day his first novel, which he advises to be read slowly when the urge arises.

He writes columns regularly in periodicals. He was a journalist, a member of the board of the Associação Portuguesa Para o Estudo da Propriedade Intelectual [Portuguese Association of the Study of Intellectual Property] and founder of a university newspaper on Human Rights defense entitled Enviado Especial. He was Chairperson of the Direção Nacional da Associação Nacional de Jovens Jornalistas [National Association of Young Journalists] and also chaired the Executive Committee of the Congress on “Pensar Portugal” [Think Portugal], an initiative which took place in April 2000, at the Pavilhão Atlântico in Lisbon, under the high patronage of His Excellency, the President of the Republic of Portugal.